quarta-feira, 29 de julho de 2009

******** Chuva ********


Chuva

O barulhinho da chuva lá fora...
Suave música penetrando
e minha alma acalentando...

Meu interior transbordando...
Um sorriso vindo à tona
ouvindo o som melodioso
da natureza se manifestando.

Para um lindo campo
esse enlevo me transporta...

Toda a vegetação encontro
refazendo-se,embelezando-se,
tornando-se viçosa e brilhante
com a chegada da nova visitante.

Brinca a brisa suave
com a chuva que cai levemente,
deslizando pelas folhas
que agradecem com delicadeza
numa reverência à mãe natureza.

Eliane Santoro da Costa

10 comentários:

bemviver disse...

Amiga linda, que poemas lindos, consigo sentir as plantas agradecendo aos céus pela chuva que cai suavemente.
Meu carinho BJS.

O Profeta disse...

O ultimo sentimento
Perdeu-se no outro lado do espelho
Onde dormem as estrelas?
Talvez sobre a cabeça de um pobre velho

E a Lua de sorriso trocista
Soltou raios de deslumbrante luar
Um amante tece um manto de ternura
Inunda o espaço uma melodia de embalar


Boa semana



Doce beijo

Canduxa disse...

Querida Eliane,

A chuva nos dá tranquilidade...cai na Natureza e a torna verde e serena.
É maravilhoso sentir a suave música da chuva e em dias de tempestade é bom ficar em casa olhando através da vidraça.
Lindo poema!
Beijinho com muita luz e cor

Simplesmente Amor disse...

Como é bom estar aqui e sentir esses pingos de pura emoção!

Que a sua inspiração nos emocione SEMPRE!!!

Super beijo carinhoso para você!

Maria Emília disse...

É num dia de chuva que oiço a chuva do seu poema. Gosto de ouvir o bater da chuva na vidraça e de deixar que a chuva me molhe. A chuva tem uma melodia que é preciso aprender a escutar.
Um beijinho,
Maria Emília

Flavinha disse...

É verdade!Bom demais o barulho da chuva!
Amo!
bjSSSS

Filomena disse...

Olá fada!

É verdade, estou a gozar as merecidas férias, mas vou começar a voar pelo meu mundo de fantasia.

A chuva também sabe bem. Lava a alma.

Beijos de luz

AFRICA EM POESIA disse...

Depois do meu poema cansaço deixo este do meu livro"Salpicos de cá e de lá"...pag 50 e contra capa é para fazer uma pequena reflexão...

MININO"


Minino...Minino preto...
Minino de rua...
Minino roto...
Minino que brinca...
Na água do charco...
Minino que às vezes...
Tem fome...

Mas...
Minino que ri...
porque...
Tem beijo...
Tem amor...
Tem...
Pai e Mãe...Ali...
E fica a pensar...

Eu...
Minino preto...
Tem pouco...
Mas...
Tem muito...
Eu "sabe" rir...
Olho...
Ali...

O branco...
Que corre...
Que não pára...
Para ter muito...
Mas...
Que não ri...
Não sabe rir...
E tem...tudo...
Eu...

Minino preto
não tenho nada...
Mas tenho tudo...
Fecho os olhos...
E espero "ficà" grande...
Mas quero ...
Continuar a rir..
E ter...
O mundo...
Dentro da mão...


LILI LARANJO

Nely disse...

Chuva é lagrimas de anjos para consolar a Terra mãe....
Muito bonito esse poema Fada querida, eu a imagino vibrante em suas asinhas, voando na chuva miúdinha, numa dança encantada!
Um beijo bem grande, deste lado do Atlântico.

bruxamarytsha disse...

Tem um selinho pra vc lá, beijocas